Arquivo do mês: outubro 2009

links for 2009-10-30

Comentários desativados em links for 2009-10-30

Arquivado em Notícias

links for 2009-10-28

Comentários desativados em links for 2009-10-28

Arquivado em Notícias

Google: 11 anos em 133 segundos

Dica do Google Discovery. Produzido pela filial britânica do Google, o clipe narra a história da empresa de forma simpática, pontuando a origem em googol (1 googol = 1,0 × 10100), ou Googol

passando pelo lançamento da página em 1998, à aquisição certeira do YouTube, até chegar a lançamentos ousados, que incluem Google Street View, Android, Chrome e Google Wave.

Comentários desativados em Google: 11 anos em 133 segundos

Arquivado em Notícias

links for 2009-10-19

Comentários desativados em links for 2009-10-19

Arquivado em Notícias

links for 2009-10-16

Comentários desativados em links for 2009-10-16

Arquivado em Notícias

Eaê, Google Wave resolve o seu problema?

Ilustração retirada do post de Daniel Tenner

Ilustração retirada do post de Daniel Tenner

O artigo foi escrito por Daniel Tenner. Seus argumentos me parecem bastante válidos. Eu apenas não creio que o povo do Google deixaria barato as redes Twitter e Facebook. De qualquer forma, o autor me concedeu a liberdade de traduzir seu artigo. Optei apenas por alguns parágrafos e repasso o link do artigo na íntegra, em inglês. Se alguém quiser continuação da tradução, é só pedir.

What problems does Google Wave solve?
A matter of perspective
By Daniel Tenner

inúmeros iniciadosgurus e gurus de tecnologia descrevendo o Google Wave como um fiasco. Parece que ninguém conseguiu entender para que serve o Wave. Daí, ele é comparado a redes sociais.

O Wave é o próximo Twitter? Não. O próximo Facebook? Não. Vai substituir os Instant Messengers (MSN Windows Live, Gtalk)? Talvez, em algumas circunstâncias, mas não em curto prazo.

Acredito que parte dessa opinião é falha da Google: o Wave foi testado por geeks, hackers e gente de redes sociais. Mas o Wave não é uma ferramenta para geeks/hackers ou para redes sociais. É uma ferramenta para uso corporativo que resolve problemas de trabalho (mais cedo ou mais tarde). Por outro lado, a empresa nunca afirmou que o Wave mataria ou substituiria o Facebook ou o Twitter. O Google intitulou “uma ferramenta online de comunicação em tempo real e colaboração”. A empresa deveria ter divulgado assim: “para solucionar problemas com email”.

Na Woobius, há algum tempo, temos trabalhado para resolver problemas com email. Woobius é uma solução para alguns dos problemas de email. Já escrevemos posts e demos palestras sobre esse assunto. Talvez, por essa razão, o Wave seja tão fantástico para mim e para minha equipe.

Afinal, qual é o problema com o email?
Para a maioria dos geeks, o problema principal com email é o spam. Eles não têm nenhum problema com colaboração onlline – eles usam o Google Docs, Etherpad, Skitch, ferramentas de compartilhamento na tela ou uma série de aplicações colaborativas. Bom, os principais problemas dos geeks são: eles são designados para tantas tarefas, assinam tantos serviços e são inundados com avisos, newsletters mensais, mensagens automáticas e spam que são gerenciados pelos filtros de spam do Gmail. Quando eles querem colaborar em um documento ou em uma fotografia, na maioria das vezes, podem encontrar as ferramentas necessárias.

Bom, novamente, a maioria dos geeks não faz faz esse trabalho baseado em colaboração por email. Programar não requer uma grande quantidade de colaboração, além disso não há ferramentas de controle e sistema para rastrear bugs. Estar na pele de Robert Scoble provavelmente não exige que você passe dias trabalhando detalhadamente na especificação de um documento do projeto X, ou, no mínimo, sem tanta frequência. Provavelmente, ele não precisa juntar todas as sugestões de mudanças e submeter novamente o documento para uma revisão posterior.

No ambiente corporativo, no entanto, isso acontece o tempo todo. As pessoas trabalham em documentos, apresentações, etc. Elas tem grandes discussões por email. Trechos do trabalho vão e voltam em uma ou em várias empresas durante semanas antes de ficar pronto. As pessoas são levadas novamente ao mesmo assunto no final do dia. Documentos anexados se perdem. Caixas de email lotam e as mensagens voltam. É um mal muito maior.

Afinal quais são os problemas com email em uma empresa, e o que o Wave pode fazer com isso?

A, seguir, o texto na íntegra, em inglês.

There are countless pundits and other tech gurus describing Google Wave as a disappointment, lately. Most of that seems to come from the fact that nobody seems to get what Wave is for. So they compare it to social media.
Is Wave the next Twitter? Nope. Is it the next Facebook? Nope. Is it going to replace Instant Messengers? Possibly, in some circumstances, but not any time soon.
I believe this is partly Google’s fault: they released Wave to geeks and hackers and social media folks first. But Wave is not a geek/hacker tool, or a social media tool, it’s a corporate tool that solves work problems (more on that later). On the other hand, they never claimed it would be a Facebook replacement or a Twitter killer. Google calls wave an “online tool for real-time communication and collaboration”. The way Google should have advertised Wave is: “it solves the problems with email”.
At Woobius, we’ve been working at resolving the problems with email for some time. Woobius is a solution to some of the problems of email within the construction industry. We’ve blogged and given talks about it. Perhaps that’s why it was immediately obvious to me and my team why Google Wave is awesome.
What’s the problem with email, anyway?
To most geeks, the main problem with email is spam. They don’t have a problem with online collaboration – they use Google Docs, Etherpad, Skitch, screen sharing tools, or any number of collaborative whiteboard applications. So the main problems for geeks are that they’re signed up to so many services that they get inundated with notifications, monthly newsletters, automated messages, and shreds of spam that manage to get through GMail’s spam filters. But when they want to collaborate on a document or picture, they can find the tools they need, most of the time.
But then again, most geeks don’t do all that much document-based collaboration, by email or otherwise. Programming doesn’t require a whole lot of collaboration, beyond that provided by source control tools and bug tracking system. Being Robert Scoble probably doesn’t require you to spend days working on a specification document for some finicky aspect of project X, or at least not very often, and he’s probably not the one collating everyone’s suggested changes and resubmitting the document for further review.
In your average corporate environment, though, this happens all the time. People work on documents, presentations, etc. They have lengthy discussions over email. Pieces of work bounce back and forth across one or multiple organisations for weeks before they’re finalised. People are brought on to the conversation late in the day. Attachments get lost. Inboxes fill up and emails bounce. It’s a major pain.
So what are the problems with email in a corporate environment, and what does Wave do to address them?
Problem 1: Collaborating on a piece of text
It’s hard to use email like you would use, say, Etherpad – to collaborate on a document that later needs to be sent out. Most such collaborations end up being done either via a Word document with change tracking, or, when they’re more ad-hoc, via a long thread of email with corrections coming in from every direction. It’s a nightmare to keep track of and collate all that feedback. Even giving the feedback is difficult sometimes: you have to quote the context and make sure your change is clearly outlined.
Google Wave resolves that by effectively integrating Etherpad’s features into the email client. Putting an email to an important client together, with feedback from the team, becomes a breeze.
Problem 2: Adding new people to the conversation
With a typical email thread, you can forward the whole thread to a new participant, or add them into the next reply, but they’ll only get a garbled, over-indented mess, in reverse chronological order. If you’ve ever been added late into an email thread that had already been going on for a week and involved two dozen replies, you know what I mean.
Google Wave solves that by giving exactly the same view to everyone, regardless of when they’ve been added.
Problem 3: Keeping added people added
Many times, when you add new people into a conversation, they get dropped again later, when someone replies to all from an earlier email that didn’t include the new participants. Sometimes it takes a while before you realise that key people have been dropped out of the conversation. That costs time and hassle both for the people who were dropped and those who weren’t.
Wave solves that by making “dropping people” an explicit action, rather than something you can do by mistake.
Problem 4: Attaching files
Most large companies have an email storage problem, so they limit the size of people’s mailboxes. Because of that, it’s not uncommon to see “Inbox full” bounces when sending large documents around. Not only that, but sending documents is iffy at best. The SMTP protocol doesn’t seem to be all that good at sending large files.
Now, to be fair, Wave will probably suffer from the same limitations as any HTTP upload applications – but that’s still a whole lot better than your average email. Sending emails over 10MB usually fails. Attaching a 10MB file to a Wave is no problem at all.
Problem 5: Lost attachments
When you reply to an email with an attachment, the attachment is dropped. This is a good thing with email, because it stops a single email thread from unnecessarily clogging up both the mail server storage and its bandwidth. Since the whole email is transmitted down the wire when you click “send”, this kind of limitation is unavoidable.
What this means, however, is that if you bring new people into a conversation, by adding them as recipients or by forwarding them the latest mail in the conversation, they won’t get any of the attachments. Not only that, but if you’re looking for that first attachment, and the conversation has been going on for weeks (and, like everyone else, you receive upwards of 50 relevant emails a day), finding that attachment can be quite difficult. If there were multiple attachments throughout the life of the discussion, gathering them all to send them to a new participant is exponentially more tedious.
With Wave’s model, however, the attachments stay there, where you put them. They’re only sent down the wire, from you to the email server, once. You never need to re-forward an attachment to someone. When you add new people to the conversation, they get access to all the attachments right away.
Problem 6: Multiple conversation branches
Email conversations are, basically, flat. If you try to have multiple branches of conversation in email you end up with a sordid mess. You might do that a few times in your life, but you quickly learn not to. But flattening everything has its own share of problems – every email ends up containing replies to several other emails. It becomes very difficult to track what was replied to and what wasn’t. And it’s hard to collate all the suggestions effectively.
Google Wave resolves this by allowing clear, obvious threading. Yes, if you use a lot of threading in an instant messaging context, it will be hard to manage. But within the typical email collaboration context, it will keep things a lot more clean and tidy than not having threading.
Problem 7: Small corrections
With email, if your only comment on someone’s email is to fix a dozen typos, you still have to do almost as much work as if you were making substantial changes to their proposed text. You need to quote the context, highlight which bit you corrected, and then rely on the other person applying your changes back to the original document (which they often forget to do — after all, it’s just a few typos).
With Wave, no such problem – you can just edit the original text and make those changes. If the person who submitted that document wants to review your changes, they can play them back.
Problem 8: Email to IM to Email
Instant Messaging is a powerful, useful technology that has proven its worth. But it’s not very well integrated with email. If you rely on your inbox to keep track of conversations, there’s still this gaping black hole of IM which is tracked somewhere else (if at all). GTalk tried to resolve that by storing IM conversations in your inbox – and that was a good step.
What Google Wave does, however, is much bolder: it recognises the fact that a lot of IM conversations, in corporate environments, begin with an email exchange that’s just getting too rapid. When you send more than 3 emails to the same person in one minute, it usually makes sense to either pick up the phone or IM them. With Google Wave, this doesn’t need to be a conscious decision: if you’re replying quickly, Wave smoothly turns into an IM-like platform. When your replies get slower again, it, once again smoothly, turns into an email-like platform.
This means that the whole conversation, whether email-like or IM-like, is tracked and searchable in the same place, and visible to all those who are invited to the conversation.
Conclusion
I believe that people who don’t see what Google Wave is for are simply looking at it from the wrong angle. Wave is not a social tool. It’s not Twitter, it’s not GTalk, it’s not Facebook. It was never designed to appeal to the crowds of geeks who are currently trying it out.
Wave is built for the corporate environment. It’s a tool for getting work done. And as far as those go, it’s an excellent tool, even at this very early stage.
It will probably take years before Wave fully penetrates large corporations and replaces the email systems everyone is used to. But it solves so many thorny problems with email that it might well manage to do so, where so many other tentative “email fixes” have failed.
In the meantime, we should stop judging it as a social tool and start looking at how we can use it for real work. Invite your colleagues to it, and get working.

There are countless pundits and other tech gurus describing Google Wave as a disappointment, lately. Most of that seems to come from the fact that nobody seems to get what Wave is for. So they compare it to social media.

Is Wave the next Twitter? Nope. Is it the next Facebook? Nope. Is it going to replace Instant Messengers? Possibly, in some circumstances, but not any time soon.

I believe this is partly Google’s fault: they released Wave to geeks and hackers and social media folks first. But Wave is not a geek/hacker tool, or a social media tool, it’s a corporate tool that solves work problems (more on that later). On the other hand, they never claimed it would be a Facebook replacement or a Twitter killer. Google calls wave an “online tool for real-time communication and collaboration”. The way Google should have advertised Wave is: “it solves the problems with email”.

At Woobius, we’ve been working at resolving the problems with email for some time. Woobius is a solution to some of the problems of email within the construction industry. We’ve blogged and given talks about it. Perhaps that’s why it was immediately obvious to me and my team why Google Wave is awesome.

What’s the problem with email, anyway?

To most geeks, the main problem with email is spam. They don’t have a problem with online collaboration – they use Google Docs, Etherpad, Skitch, screen sharing tools, or any number of collaborative whiteboard applications. So the main problems for geeks are that they’re signed up to so many services that they get inundated with notifications, monthly newsletters, automated messages, and shreds of spam that manage to get through GMail’s spam filters. But when they want to collaborate on a document or picture, they can find the tools they need, most of the time.

But then again, most geeks don’t do all that much document-based collaboration, by email or otherwise. Programming doesn’t require a whole lot of collaboration, beyond that provided by source control tools and bug tracking system. Being Robert Scoble probably doesn’t require you to spend days working on a specification document for some finicky aspect of project X, or at least not very often, and he’s probably not the one collating everyone’s suggested changes and resubmitting the document for further review.

In your average corporate environment, though, this happens all the time. People work on documents, presentations, etc. They have lengthy discussions over email. Pieces of work bounce back and forth across one or multiple organisations for weeks before they’re finalised. People are brought on to the conversation late in the day. Attachments get lost. Inboxes fill up and emails bounce. It’s a major pain.

So what are the problems with email in a corporate environment, and what does Wave do to address them?

Problem 1: Collaborating on a piece of text

It’s hard to use email like you would use, say, Etherpad – to collaborate on a document that later needs to be sent out. Most such collaborations end up being done either via a Word document with change tracking, or, when they’re more ad-hoc, via a long thread of email with corrections coming in from every direction. It’s a nightmare to keep track of and collate all that feedback. Even giving the feedback is difficult sometimes: you have to quote the context and make sure your change is clearly outlined.

Google Wave resolves that by effectively integrating Etherpad’s features into the email client. Putting an email to an important client together, with feedback from the team, becomes a breeze.

Problem 2: Adding new people to the conversation

With a typical email thread, you can forward the whole thread to a new participant, or add them into the next reply, but they’ll only get a garbled, over-indented mess, in reverse chronological order. If you’ve ever been added late into an email thread that had already been going on for a week and involved two dozen replies, you know what I mean.

Google Wave solves that by giving exactly the same view to everyone, regardless of when they’ve been added.

Problem 3: Keeping added people added

Many times, when you add new people into a conversation, they get dropped again later, when someone replies to all from an earlier email that didn’t include the new participants. Sometimes it takes a while before you realise that key people have been dropped out of the conversation. That costs time and hassle both for the people who were dropped and those who weren’t.

Wave solves that by making “dropping people” an explicit action, rather than something you can do by mistake.

Problem 4: Attaching files

Most large companies have an email storage problem, so they limit the size of people’s mailboxes. Because of that, it’s not uncommon to see “Inbox full” bounces when sending large documents around. Not only that, but sending documents is iffy at best. The SMTP protocol doesn’t seem to be all that good at sending large files.

Now, to be fair, Wave will probably suffer from the same limitations as any HTTP upload applications – but that’s still a whole lot better than your average email. Sending emails over 10MB usually fails. Attaching a 10MB file to a Wave is no problem at all.

Problem 5: Lost attachments

When you reply to an email with an attachment, the attachment is dropped. This is a good thing with email, because it stops a single email thread from unnecessarily clogging up both the mail server storage and its bandwidth. Since the whole email is transmitted down the wire when you click “send”, this kind of limitation is unavoidable.

What this means, however, is that if you bring new people into a conversation, by adding them as recipients or by forwarding them the latest mail in the conversation, they won’t get any of the attachments. Not only that, but if you’re looking for that first attachment, and the conversation has been going on for weeks (and, like everyone else, you receive upwards of 50 relevant emails a day), finding that attachment can be quite difficult. If there were multiple attachments throughout the life of the discussion, gathering them all to send them to a new participant is exponentially more tedious.

With Wave’s model, however, the attachments stay there, where you put them. They’re only sent down the wire, from you to the email server, once. You never need to re-forward an attachment to someone. When you add new people to the conversation, they get access to all the attachments right away.

Problem 6: Multiple conversation branches

Email conversations are, basically, flat. If you try to have multiple branches of conversation in email you end up with a sordid mess. You might do that a few times in your life, but you quickly learn not to. But flattening everything has its own share of problems – every email ends up containing replies to several other emails. It becomes very difficult to track what was replied to and what wasn’t. And it’s hard to collate all the suggestions effectively.

Google Wave resolves this by allowing clear, obvious threading. Yes, if you use a lot of threading in an instant messaging context, it will be hard to manage. But within the typical email collaboration context, it will keep things a lot more clean and tidy than not having threading.

Problem 7: Small corrections

With email, if your only comment on someone’s email is to fix a dozen typos, you still have to do almost as much work as if you were making substantial changes to their proposed text. You need to quote the context, highlight which bit you corrected, and then rely on the other person applying your changes back to the original document (which they often forget to do — after all, it’s just a few typos).

With Wave, no such problem – you can just edit the original text and make those changes. If the person who submitted that document wants to review your changes, they can play them back.

Problem 8: Email to IM to Email

Instant Messaging is a powerful, useful technology that has proven its worth. But it’s not very well integrated with email. If you rely on your inbox to keep track of conversations, there’s still this gaping black hole of IM which is tracked somewhere else (if at all). GTalk tried to resolve that by storing IM conversations in your inbox – and that was a good step.

What Google Wave does, however, is much bolder: it recognises the fact that a lot of IM conversations, in corporate environments, begin with an email exchange that’s just getting too rapid. When you send more than 3 emails to the same person in one minute, it usually makes sense to either pick up the phone or IM them. With Google Wave, this doesn’t need to be a conscious decision: if you’re replying quickly, Wave smoothly turns into an IM-like platform. When your replies get slower again, it, once again smoothly, turns into an email-like platform.

This means that the whole conversation, whether email-like or IM-like, is tracked and searchable in the same place, and visible to all those who are invited to the conversation.

Conclusion

I believe that people who don’t see what Google Wave is for are simply looking at it from the wrong angle. Wave is not a social tool. It’s not Twitter, it’s not GTalk, it’s not Facebook. It was never designed to appeal to the crowds of geeks who are currently trying it out.

Wave is built for the corporate environment. It’s a tool for getting work done. And as far as those go, it’s an excellent tool, even at this very early stage.

It will probably take years before Wave fully penetrates large corporations and replaces the email systems everyone is used to. But it solves so many thorny problems with email that it might well manage to do so, where so many other tentative “email fixes” have failed.

In the meantime, we should stop judging it as a social tool and start looking at how we can use it for real work. Invite your colleagues to it, and get working.


3 Comentários

Arquivado em Notícias

links for 2009-10-14

Comentários desativados em links for 2009-10-14

Arquivado em Notícias

10 programas para o seu celular

FAÇA MAIS – MOBILIDADE
Programas que não podem faltar no seu celular
Testamos cinco aplicativos imprescindíveis para quem usa telefone com Windows Mobile ou Symbian. Por Mari-Jô Zilveti
Computador móvel. Essa é a melhor definição para os celulares de hoje, que já ganharam apelidos de smartphone, multimídia, QWERTY, camerafone e outros tantos. Vendidos a preço de banana, ou quase, os aparelhos hoje, por acaso, servem para fazer e receber ligações. O que vale mesmo é a quantidade de tarefas, úteis ou inúteis, que você pode executar no seu dia a dia. A lista é extensa, podendo partir de um simples aviso de meteorologia e busca de passagens aéreas, passando por leitores de código de barras moderninhos, à transmissão ao vivo de quaisquer eventos para sua rede de amigos e contatos profissionais ainda ou medidores de distância para suas atividades esportivas.
No mundo de celulares com sistema operacional Symbian, leia-se Nokia das séries E e N, alguns modelos Sony Ericsson e outros fabricantes, é condição sine qua non ter instalado um programa para ler arquivos no formato PDF. O RealPlayer, para filmes, pode ser imperativo, mas deixe estar, porque ele costuma vir instalado em aparelhos com esse sistema. Essa norma também vale para o programa Adobe PDF.
No planeta Windows Mobile, as regras não costumam ser diferentes. O que muda é o visual e a forma de acesso às funções. Vale lembrar que, dependendo de alguns modelos, a interface manda como se deve chegar ao aplicativo, caso de alguns modelos da HTC e Samsung, que personalizaram o desktop do celular, mesmo sob a batuta do sistema da Microsoft. Confira, a seguir, dez aplicativos testados para fazer a sua escolha.
GOOGLE MAPS – Um dos melhores programas para quem precisa de mapas. Foi lançado, inicialmente, para sistemas Symbian. O programa usa um sistema de triangulação. Em suma, ele se comunica com torres da operadora e fornece uma aproximação do local em My Location (Meu Local). Se o celular tiver GPS, melhor, a localização é mais precisa. Você digita o destino e define se vai a pé, de transporte público ou de carro (www.google.com/mobile).
NOKIA SPORTS TRACKER – Ideal para quem gosta de correr, caminhar ou pedalar. Cria estatísticas a partir de velocidade média, distância total, altitude e longitude. Em vários testes, esse programa costuma dar erro se você estiver em locais com muitos edifícios. Em locais sem interferência, a margem de erro é aceitável. Agora se caminhar do início da avenida Paulista e for até a altura do número 1.000 da rua Heitor Penteado, ele lhe dirá que você andou 8 km, quando, na verdade, o percurso não tem mais do que 6 km (sportstracker.nokia.com).
GMAIL – Aplicativo indispensável para quem tem conta nesse provedor e precisa atualizar suas mensagens de correio. Aplicação baseada em Java, permite personalizar as pastas que você quer que apareçam na tela do seu telefone. Os esforços para o uso de números do teclado não deram certo. Em celulares com Windows Mobile ou Symbian, com teclado QWERTY, a solução é usar o cursor (www.google.com/mobile/mail/index.html).
YAHOO! GO MOBILE – Ideal para Windows Mobile e Symbian, trata-se de um conjunto de aplicativos que incluem o famoso ciberálbum Flickr, acesso a contas do Yahoo! Mail, notícias e conexão a redes como Facebook e FriendFeed, além de bate papo em tempo real para quem usa o Yahoo! Messenger. (br.mobile.yahoo.com/).
QIK – Produzir conteúdo ao vivo. Com conexão à web por Wi-Fi ou 3G, seu celular se transforma em uma câmera de transmissão ao vivo. Além de gravar, é possível compartilhar o vídeo em várias redes sociais, entre elas Twitter e Facebook. Outra vantagem é poder fazer o download no formato mp4. Seus telespectadores podem assistir a seu show ou cobertura de um evento pelo site. (www.qik.com) No formato baixado, você manda para o YouTube e coloca em seu blog.
EVERNOTE – Donos de celulares com Windows Mobile vão gostar dessa ferramenta para gerenciar todo tipo de informação. Uma das vantagens desse produto é permitir capturar fotos de texto impresso ou manuscrito com o objetivo de tornar o documento disponível por meio de busca. A versão 3.3 acrescenta pesquisa de anotações baseadas na localização por GPS (evernote.softonic.com.br/windowsmobile).
OPERA MINI MOBILE – Cansado do programa de navegação de seu celular ou do Internet Explorer? O OperaMini 9,5 obteve melhorias em relação à versão anterior. É ideal para quem quer acessar páginas e administrar suas redes sociais, leia-se Twitter e Facebook, sem ter de sair do programa. O recurso Zoom In é indicado para ceguetas que mesmo com diagnóstico de presbiopia e óculos de grau comprado na farmácia precisam as ler textos com letras maiores. Em testes realizados com celulares com Windows Mobile 6.1 e Symbian, o OperaMini mostrou-se mais ágil na abertura de sites de notícias e de fotos. Na configuração do programa, você pode escolher se quer carregar fotos com baixa ou média resolução (www.opera.com/mini/download).
MYPHONE – Imprescindível para fazer backup de seus dados em celulares com Windows Mobile 6.x. Se sua rede de dados estiver funcionan do a uma velocidade razoável, o envio de suas informações é ágil. Fácil de usar, vale a pena inscrever-se em uma conta como seunome@hotmail.com. Vale lembrar que ao fazer o download, é necessário verificar se o seu aparelho é touchscreen ou não-touchscreen. Você pode baixá-lo no seu computador ou diretamente do seu celular. No primeiro exemplo, o arquivo tem a extensão. CAB. Nesse caso, ao transferir o produto para o seu aparelho, ele vai diretamente para a pasta Programas. Localize o arquivo e comece a instalação. A sincronização de dados pode ser automatic ou determinada manualmente.
STRIS 2 – O famoso Tetris,que nasceu para PCs há algumas décadas, foi transportado para a tela do seu celular. Afinal, ninguém merece ter de ficar sem fazer nada em salas de espera, portanto, esse jogo é obrigatório no seu telefone. Entre os recursos ganha destaque a personalização dos controles. De resto, tal qual a versão para computador de mesa, você pode visualizar a os blocos que cairão, indicado para iniciantes. Desenvolvido para Windows Mobile e Symbian, o fundo marrom não é uma beleza, mas o que vale mesmo é sua capacidade de encaixar as peças que caem na vertical. O melhor de tudo: é gratuito. (http://www.smartphone-freeware.com/download-s-tris-2.html)
NEXT ELEMENT DELUX – Você gosta de lógica e tem Windows Mobile no seu telefone? Eis um game que vale a pena para quem gosta de desafios. São 80 níveis de dificuldade, e sua meta é destruir os campos que surgem na tela. Os gráficos são de gosto discutível, mas o joguinho é gratuito e você ainda tem uma hora de espera na sala de estar exígua e sem ar condicionado do seu neurologista. Respire fundo, conte até dez e abra comece a jogar. Dica importante: antes de fazer o download, é preciso checar qual é a resolução da tela do seu telefone. (www.smartphonefreeware.mobi/download-next-element-delux.html)
Mari-Jô Zilveti é jornalista, blogueira e escritora, coautora de Nomadismo Celular (www.nomadismocelular.com.br), e adora testar celulares e programas.

Sports Tracker para registrar caminhadas, corridas e outras atividades by mobile phone

Sports Tracker pra registrar caminhadas, corridas e outras atividades by mobile phone

Aplicativos imprescindíveis pra telefones com Windows Mobile ou Symbian

Computador móvel. Essa é a melhor definição para os celulares de hoje, que já ganharam apelidos de smartphone, multimídia, QWERTY, camerafone e outros tantos. Vendidos a preço de banana, ou quase, os aparelhos, por acaso, servem para fazer e receber ligações. O que vale mesmo é a quantidade de tarefas, úteis ou inúteis, que você pode executar no seu dia a dia. A lista é extensa, podendo partir de um simples aviso de meteorologia e busca de passagens aéreas, passando por leitores de código de barras moderninhos, à transmissão ao vivo de quaisquer eventos para sua rede de amigos e contatos profissionais ainda ou medidores de distância para suas atividades esportivas.

No mundo de celulares com sistema operacional Symbian, leia-se Nokia das séries E e N, alguns modelos Sony Ericsson e outros fabricantes, é condição sine qua non ter instalado um programa para ler arquivos no formato PDF. O RealPlayer, para filmes, pode ser imperativo, mas deixe pra lá, porque ele costuma vir instalado em aparelhos com esse sistema. Essa norma também vale para o programa Adobe PDF.

No planeta Windows Mobile, as regras não costumam ser diferentes. O que muda é o visual e a forma de acesso às funções. Vale lembrar que, dependendo de alguns modelos, a interface manda como se deve chegar ao aplicativo, caso de alguns modelos da HTC e Samsung, que personalizaram o desktop do celular, mesmo sob a batuta do sistema da Microsoft. Confira, a seguir, dez aplicativos testados e faça sua escolha.

GOOGLE MAPS Um dos melhores programas para quem precisa de mapas. Foi lançado, inicialmente, para sistemas Symbian e usa um sistema de triangulação. Em suma, ele se comunica com torres da sua operadora e fornece uma aproximação do local em My Location (Meu Local). Se o celular tiver GPS, melhor, a localização é mais precisa. Você digita o destino e define se vai a pé, de transporte público ou de carro.

NOKIA SPORTS TRACKERBonzinho para quem gosta de correr, caminhar ou pedalar. Cria estatísticas a partir de velocidade média, distância total, altitude e longitude. Em vários testes, esse programa costuma dar erro se você estiver em locais com muitos edifícios. Em locais sem interferência, a margem de erro é aceitável. Agora se caminhar do início da avenida Paulista e for até a altura do número 1.000 da rua Heitor Penteado, ele lhe dirá que você andou 8 km, quando, na verdade, o percurso não tem mais do que 6 km.

GMAIL Indispensável se você tem conta nesse provedor e precisa atualizar suas mensagens de correio. Aplicação baseada em Java, permite personalizar as pastas que você gostaria que aparecessem na tela do seu telefone. Os esforços para o uso de números do teclado não deram muito certo. Em celulares com Windows Mobile ou Symbian, com teclado QWERTY, a solução é usar o cursor.

YAHOO! GO MOBILE Bem legalzinho para Windows Mobile e Symbian, trata-se de um conjunto de aplicativos que incluem o famoso ciberálbum Flickr, acesso a contas do Yahoo! Mail, notícias e conexão a redes como Facebook e FriendFeed, além de bate papo em tempo real para os raros brazucas quem usam o Yahoo! Messenger.

QIKProduzir conteúdo em tempo real. Com conexão à web por Wi-Fi ou 3G, seu celular se transforma em uma câmera de transmissão ao vivo. Além de gravar, é possível compartilhar o vídeo em várias redes sociais, entre elas Twitter e Facebook. Outra vantagem é fazer o download no formato mp4. Seus telespectadores podem assistir a seu show ou à cobertura de um evento pelo site. No formato baixado, você manda para o YouTube e coloca em seu blog.

EVERNOTEDonos de celulares com Windows Mobile vão gostar dessa ferramenta para gerenciar todo tipo de informação. Uma das vantagens desse produto é permitir capturar fotos de texto impresso ou manuscrito com o objetivo de tornar o documento disponível por meio de busca. A versão 3.3 acrescenta pesquisa de anotações baseadas na localização por GPS.

OPERA MINI MOBILE Cansado do programa de navegação de seu celular ou do Internet Explorer? O OperaMini 9.5 obteve melhorias em relação à versão anterior. Razoável para quem quer acessar páginas e administrar suas redes sociais, leia-se Twitter e Facebook, sem ter de sair do programa. O recurso Zoom In é indicado para ceguetas que mesmo com diagnóstico de presbiopia e óculos de grau comprados na farmácia da esquina precisam as ler textos com letras maiores. Em testes realizados com celulares com Windows Mobile 6.1 e Symbian, o OperaMini mostrou-se mais ágil na abertura de sites de notícias e de fotos. Na configuração do programa, você pode escolher se quer carregar fotos com baixa ou média resolução.

MYPHONEImprescindível para fazer backup de seus dados em celulares com Windows Mobile 6.x. Se sua rede de dados estiver funcionan do a uma velocidade razoável, o envio de suas informações é veloz. Fácil de usar, recomenda-se fazer o registro em uma conta como seunome@hotmail.com. Vale lembrar que ao fazer o download, é necessário verificar se o seu aparelho é touchscreen ou não-touchscreen. Você pode baixá-lo no computador ou diretamente do celular. No primeiro exemplo, o arquivo tem a extensão. CAB. Nesse caso, ao transferir o produto para o seu aparelho, ele vai diretamente para a pasta Programas. Localize o arquivo e comece a instalação. A sincronização de dados pode ser automática ou determinada manualmente.

STRIS 2 O famoso Tetris,que nasceu para PCs há algumas décadas, foi transportado para a tela do seu celular. Vamos combinar: ninguém merece ficar olhando o teto e ouvir papos indesejáveis em salas de espera, portanto, esse jogo é obrigatório no seu telefone. Entre os recursos ganha destaque a personalização dos controles. De resto, tal qual a versão para computador de mesa, você visualiza os blocos que cairão, indicado para iniciantes. Desenvolvido para Windows Mobile e Symbian, o fundo marrom não é uma beleza, mas o que vale mesmo é sua capacidade de encaixar as peças que caem na vertical. O melhor de tudo: é gratuito.

NEXT ELEMENT DELUX Lógica é sua praia e você tem Windows Mobile no seu telefone? Eis um game que vale a pena testar para quem gosta de desafios. São 80 níveis de dificuldade, e sua meta é destruir os campos que surgem na tela. Os gráficos são de gosto discutível, mas o joguinho é gratuito. Ele é mais do que necessário caso você ainda tenha uma hora de espera na sala de estar exígua e sem ar condicionado do seu neurologista. Respire fundo, conte até dez, abra o game e comece a jogar. Dica importante: antes de fazer o download, é preciso checar qual é a resolução da tela do seu telefone.

© 2009 Nomadismo Celular | Todos os direitos reservados


5 Comentários

Arquivado em Testes/avaliações

links for 2009-10-08

Comentários desativados em links for 2009-10-08

Arquivado em Notícias

links for 2009-10-03

Comentários desativados em links for 2009-10-03

Arquivado em Notícias

Everybody loves Rio – Olimpíadas 2016

Porque o Rio de Janeiro merece. Porque o Brasil merece.

O vídeo acima veio por conta do twitter de Magazine Brazil e de Nogueira Jr. Tomo a liberdade de repostar abaixo o artigo do jornalista Leandro Fortes, do Brasília, eu vi.

Leandro Fortes, Brasília, eu vi

“Lula poderia ter agido, como muitos de seus pares na política agiriam, com rancor e desprezo pelo Rio de Janeiro, seus políticos, sua mídia, todos alegremente colocados como caixa de ressonância dos piores e mais mesquinhos interesses oriundos de um claro ódio de classe, embora mal disfarçados de oposição política. Lula poderia ter destilado fel e ter feito corpo mole contra o Rio de Janeiro, em reação, demasiada humana, à vaia que recebeu – estranha vaia, puxada por uma tropa de canalhas, reverberada em efeito manada – na abertura dos jogos panamericanos, em 2007, talvez o maior e mais bem definido ato de incivilidade de uma cidade perdida em décadas de decadência. Vaiou-se Lula, aplaudiu-se César Maia, o que basta como termo de entendimento sobre os rumos da política que se faz e se admira na antiga capital da República. Fosse um homem público qualquer, Lula faria o que mais desejavam seus adversários: deixaria o Rio à própria sorte, esmagado por uma classe política claudicante e tristemente medíocre, presa a um passado de cidade maravilhosa que só existe, nos dias de hoje, nas novelas da TV Globo ambientadas nas oníricas ruas do Leblon.

Lula poderia ter agido burocraticamente a favor do Rio, cumprido um papel formal de chefe de Estado, falado a favor da candidatura do Rio apenas porque não lhe caberia falar mal. Deixado a cidade ao gosto de seus notórios representantes da Zona Sul, esses seres apavorados que avançam sinais vermelhos para fugir da rotina de assaltos e sobressaltos sociais para, na segurança das grades de prédios e condomínios, maldizer a existência do Bolsa Família e do MST, antros simbólicos de pretos e pobres culpados, em primeira e última análise, do estado de coisas que tanto os aflige. Lula poderia ter feito do rancor um ato político, e não seria novidade, para dar uma lição a uma cidade que o expôs e ao país a um vexame internacional pensado e executado com extrema crueldade por seus piores e mais despreparados opositores.

Mas Lula não fez nada disso.

No discurso anterior à escolha do Comitê Olímpico Internacional, já visivelmente emocionado, Lula fez o que se esperava de um estadista: fez do Rio o Brasil todo, o porto belo e seguro de todos os brasileiros, a alma da nacionalidade. Foi um ato de generosidade política inesquecível e uma lição de patriotismo real com o qual, finalmente, podemos nos perfilar sem a mácula do adesismo partidário ou do fervor imbecil das patriotadas. Lula, esse mesmo Lula que setores da imprensa brasileira insistem em classificar de títere do poder chavista em Honduras, outra vez passou por cima da guerrilha editorial e da inveja pura e simples de seus adversários. Falou, como em seus melhores momentos, direto aos corações, sem concessões de linguagem e estilo, franco e direto, como líder não só da nação, mas do continente, que hoje o saúda e, certamente, o aplaude de pé.

Em 2016, o cidadão Luiz Inácio da Silva terá 71 anos. Que os cariocas desse futuro tão próximo consigam ser generosos o bastante para também aplaudi-lo na abertura das Olimpíadas do Rio, da qual, só posso imaginar, ele será convidado especial.”

Comentários desativados em Everybody loves Rio – Olimpíadas 2016

Arquivado em Notícias

links for 2009-10-02

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Redes sociais: o que estudantes querem

A pesquisa revela dados interessantes: 70% dos estudantes entrevistados são contra o uso de redes sociais (Twitter ou Facebook) por empregadores. O levantamento foi realizado para TMP Worldwide e Targetjobs, que concluíram que estudantes em busca de trabalho não querem que essas agências lhes “vendam” empregos. Acreditam ainda que “empregadores não deveriam explorar redes sociais para seu benefício próprio”.

O estudo mostra, no entanto, que 79% dos entrevistados consideram as redes sociais elementos-chave para que os empregadores entrem em contato com os interessados.

Segundo a pesquisa, estudantes usam bastante redes sociais para pesquisar empresas e checar se as mensagens dos empregadores são realidade. O estudo detectou que quase metade dos estudantes utilizam redes sociais para bater papo com seus pares no processo de recrutamento.

Mais: cerca de 30% dos entrevistados conversam com os empregados de empresas para checar se suas expectativas no trabalho foram atendidas.

Vale a pena ler o restante em inglês em The Economic Times, a partir de onde o texto acima foi traduzido.

Comentários desativados em Redes sociais: o que estudantes querem

Arquivado em Análises, Notícias