Arquivo da tag: cellular

Barack Obama com ou sem o seu BlackBerry?

Entre outras questões, Barbara Walters pegunta na lata: “Como você vai se acostumar sem o seu BlackBerry?” E o presidente eleito responde que está em negociações com o serviço de informação. Ela acrescenta depois que ele está perdendo nas negociações.

Quer entender mais? O blog bacana do Sérgio Dávila, correspondente da Folha de S.Paulo, em Washington, explica bem o que acontece com qualquer email enviado por um presidente. Em suma, sujeito ao Presidential Records Act. O post do Dávila é “O e-mail como janela da rua”: leitura obrigatória para sacar o que acontece com a correspondência de um presidente nos EUA, que tem de ser arquivada.

Essa discussão veio à tona em meados de novembro, quando faltavam pouco mais de 60 dias para a posse de Obama à presidência. The New York Times abriu com o título: “Lose the BlackBerry? Yes He Can, Maybe” e a foto de Obama, durante a campanha, lendo relatórios no papel se atualizando pelo celular.

Barack Obama não quer desgrudar do seu celular. Eaê? © Ozier Muhammad

Barack Obama não quer desgrudar do seu celular. Eaê? © Ozier Muhammad

Em tempos de zeros e uns, papel ainda vale para mandar bilhetes. Pela web, rastreia-se tudo. E se for com a terminação “.gov”? Bom, a informação pode ser tornar pública. Mas também há maldita questão de segurança.

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em Notícias

Nomad, nomadismo, nômade na era web móvel ou mobile

Um dos co-autores deste blog saiu de microférias. A idéia era partir para um lugar distante, no mar, próximo, geograficamente, a montanhas.

Nos trópicos, inverno a 25 graus centígrados = calor. Rumei então com duas adolescentes e duas crianças para Ilhabela, precisamente na praia do Pinto.

É a versão 2.0, pois no ano passado fiz o mesmo trajeto, porém ficamos em uma casa mais próxima do centro. O que significa mais perto de conexão com a web.

Em 2008, aqui, a 5 km da vila, sem conexão de cabo algum, vim munida de um ultraportátil notebook, um mini modem e meus celulares.

Feliz ou infelizmente a operadora TIM não pega bem aqui. Na casa onde estou as concorrentes fazem e aceitam chamadas. Não é de todo mal, pois recebo menos ligações. Na varanda, de onde avisto o mar a poucos metros, conecto o notebook e falo por telefone, de onde acesso a web com mais rapidez.

Esmiuçando: o mini modem, teoricamente, teria de fazer uma conexão 3G, com velocidade prometida de 1 Mbps. Claro, não estou em terra muito firme, então vamos de conexão GPRS, bem mais lenta. Equivale, mais ou menos, a uma conexão discada (para quem se lembra o que já foi esse tipo de acesso à web).

Um detalhe importantíssimo: quando se navega por conexão GPRS, você está abrindo sites na tela do seu celular. O que significa que essas páginas são mais leves, com poucas imagens. Por isso, carregam rapidamente. Os adeptos de web em celulares preferem mil vezes usar os endereços de sites feitos especialmente para abrir nas telinhas. Ao entrar na versão padrão, cai a velocidade para carregar a página.

Aí vai um exemplo de conexão GPRS em um notebook: para baixar um simples programinha para conectar o celular ao notebook de pouco mais de 30 megabytes, foi necessário esperar mais de uma hora. E olhe que o notebook que estou usando é pra lá de potente. Mal chegou às lojas. É um lançamento da HP e tem um chip de bom desempenho para quem precisa de um caderno quie pese pouco mais de 1 kg.

O que esperar de uma conexão mais lerda? Nada, pois quem mandou sair da base, onde tenho internet de banda larguíssima em mais de um computador.

Pergunto: dá para confiar na tal da conexão web móvel, proposta pelas operadoras Claro, TIM e Vivo, que oferecem descontos bacanas para quem comprar o mini modem e conectá-lo a seu notebook? Ou a seu computador de mesa?

Eu diria o seguinte: depois de quase duas semanas testando três notebooks ultraportáteis com três mini modems de três operadoras (parece o trava-línguas dos três tristes tigres), sou obrigada a confessar que o mini modem é útil sim.

E digo o por quê: na primeira semana, o teste foi realizado para a revista, na qual sou editora,  GSMmania. No meio da semana, aconteceu o famigerado apagão da Telefônica / Speedy, cujas explicações até agora não me satisfazem. Quem trabalha o dia inteiro conectado dança. Era o meu caso, pois meu escritório tem três máquinas, todas  usando banda larga Speedy.

Entre as incontáveis narrações sobre a pane, gosto bastante da relatada no Zumo, por Nagano, que trabalha muito bem em parceria com meu querido colega e amigo Henrique Martin, que, além de levar esse blog com muita competência, está de volta ao IDG Now, editando o site da MacWorld Brasil. Confiram.

No dia do pau geral, quase trucidei parte considerável da família, acreditando que minha filha mais velha tinha pegado algum vírus maléfico nas suas conexões Orkut ou MSN. Minha cara-metade teve a pressão alterada, pois eu vociferava que, durante o fechamento de uma edição, não se pode inventar de atualizar programa ou fazer alterações grandes no servidor.

E como sintonizar-se no noticiário? Bastava ligar a TV ou o rádio, óbvio. A internet parou em todo o Estado de São Paulo. Para nossa sorte, os mini modems deram conta do recado. E, mesmo em velocidade baixa, era possível acessar e-mails, entrar em sites, conferir informações e fechar uma revista.

Ah, e na agência, onde o fechamento das 68 páginas acontecia, a conexão não era da Telefônica. Menos mal.

E nesta segunda semana: o tal do mini modem, mesmo funcionando apenas na varanda da casa, e quando lhe dá na telha, me ajuda a conferir e-mails de urgência, entrar raríssimas vezes no Twitter e em sites noticiosos.

E por último, a atualizar este blog, que estava abandonado às traças digitais.

1 comentário

Arquivado em Comportamento

A internet móvel da “thumb generation”

Em tradução literal, “thumb generation” ficaria “geração do polegar” ou “geração do dedo polegar”. Não combina. Mesmo. Em francês, ficou “génération pouce”. Em português, talvez a melhor opção seja “geração SMS”, em alusão às mensagens curtas de texto, criadas no celular. Alguém sugere algo melhor?

A faixa etária dessa geração está entre os 13 e 30 anos, que lá fora, bem entendido, não está nem aí para o preço dos serviços de telefonia móvel. O uso da internet no celular faz parte do seu cotidiano. Quem constata é Mei Wen Chou, da Brunel University, na Grã-Bretanha.

Já mandei e-mail solicitando entrevista à pesquisadora, que fez parte de um estudo que deverá ser publicado no International Journal of Technology.

Os pesquisadores haviam constatado que a internet já tinha modificado o uso no trabalho e no lazer dessa geração, mas faltava levantar dados e analisar o perfil desse público e seu uso da rede mundial em celulares.  Entre as observações dos estudiosos ficou claro que a navegação pela internet se dá com mais freqüência no celular do que no computador, seja ele de mesa ou portátil.

Em breve, outro texto com os resultados da entrevista, com direito à podcast da gravação.

2 Comentários

Arquivado em Análises, Comportamento, Notícias

Eae? Já está Claro quem vai pagar a conta do iPhone 3G?

Página da abertura da Claro para pré-cadastramentoO iPhone 3G mal chegou às prateleiras e já estão todos fazendo as suas contas. Ou pelo menos imaginando como serão. Afinal como me disse, ao longo da tarde, Cris de Luca, do Circuito, o que interessa são os planos de venda e não o preço do celular.

Nos EUA e na Europa é bem possível que ele saia de graça. Ops. Grátis? Nunca, diriam os economistas. Nada é de graça. Para ter um aparelho iPhone 3G a, supostamente, sem custo algum, as operadoras terão de embutir o preço desse telefone em um plano. Lá fora, fala-se em contrato de assinatura de no mínimo dois anos. Haja fidelidade.

E Steve Jobs foi categórico. O iPhone 3G mais simples vai chegar a 70 países custando US$ 199. No site em português da Apple, bem no canto direito, lá embaixo, há um link onde comprar.

Telefone, iPod, internet e mais

Já foi lá? Dá direto na Claro.

Enquanto isso, conjeturas todos podem fazer. A elas: a Claro, menos de dois dias após o anúncio do iPhone 3G, vem estampando em sua tela de abertura a oferta do celular da Apple. Corra aficionado, corra. Quer dizer, o que você está esperando? Entre no site da empresa e preencha seus dados. Está sem paciência? Então digite os quatro números logo abaixo da página, 1052. Uma voz eletrônica vai lhe pedir alguns dados e pronto. É só aguardar.

Não sei quanto tempo, mas a operadora está cotada para ser a primeira a oferecer o iPhone com um plano pós-pago. E já que que estamos no plano das conjeturas está claro que as contas são todas suposições.

Para pagar a conta dos US$ 199 ou US$ 299, dependendo do iPhone 3G que você escolher, pode-se imaginar que será preciso assinar um plano de 18 meses? Ou dois anos? O tempo dirá. Mas jogando lá no alto, o mais caro, oferecido hoje no site da empresa, é o Plano 3G 900, com direito a 750 minutos de ligações locais.

Planos 3G da Claro

Detalhe, nesse plano de R$ 376,90, estão apenas incluídos 150 Megabytes de acesso à internet. Por experiência própria, isso não dá para nada, principalmente se você gosta de entrar em sites o tempo inteiro, conferir a chegada de e-mails, postar em blogs, usar Skype, MSN ou outras redes sociais.

E quem quer um iPhone 3G seguramente vai querer navegar pela web em alta velocidade. O pacote Internet 2000 tem hoje franquia mensal de 2 Gigabytes, por 30 dias, a velocidade de 1 Megabit. Hoje, fazendo os cálculos, a conta ficaria em R$ 376,90 (plano 900 de 750 minutos) + R$ 99,90 = R$ 476,80.

Vale a pena? Claro, a decisão está nas suas mãos. Não venha dizer depois que pagou apenas US$ 199 ou que ele saiu de graça.

8 Comentários

Arquivado em Análises, Mercado, Notícias

as cartas já foram dadas: façam as suas apostas

De um lado, Steve Jobs, presidente da Apple. Do outro, os fabricantes de celulares. Leiam: Nokia, Samsung, Motorola, LG e Sony Ericsson.

Há poucos dias, o presidente da Apple sacudiu a platéia em San Francisco ao mostrar o futuro iPhone 3G. Como é de praxe, o público aplaudia esboçando os “ohs” e “ahs” a cada revelação de novas funções e habilidades do aparelho.

Jobs é competente no que faz. Promete oferecer em julho um celular de belo design com todas as funcionalidades exigidas pelo mercado a um preço bastante camarada: US$ 199. Não se engane. Esse suposto chamariz estará atrelado a um contrato de assinatura com operadoras em 70 países, anunciados pelo executivo, que obrigarão o cliente a ser fiel por no mínimo 18 meses. Quem disse que existe almoço gratuito? Ou quase?

O que quer Jobs jogando o preço de um telefone com tantos recursos a US$ 199? Nada mais do que fechar o ano com 10 milhões de unidades vendidas em todo o mundo. Nos últimos 12 meses, ele diz ter vendido 6 milhões de aparelhos com a primeira versão do iPhone. Quem quiser que acredite nas estatísticas.

Nesse jogo pesado, os fabricantes de celulares vêm se digladiando há um bom tempo. E Jobs sabe quem é quem.

Durante sua apresentação, ele não hesitou em fazer comparações de velocidade de acesso à web entre o futuro iPhone 3G com o N95, da Nokia, e o Treo 750, da Palm.

Desde que o iPhone saiu, todos disseram que a indústria de telefonia móvel correu atrás de um suposto prejuízo: afinal o telefone da Apple inovou com a tela sensível ao toque, oferecendo uma tecnologia mais avançada para abrir programas e funções.

LG, Samsung e HTC teriam, segundo especialistas, se adiantado com seus novos modelos com telas para acessar com os dedos.

Modelos com o KF755, um celular com tela sens�vel ao toque e câmera de 5 Megapixels

Segredo – Aliás a LG, que ostenta o quarto posto mundial em vendas de aparelhos -de acordo com o Gartner-, deu-se bem ao criar um conceito com celulares sofisticados, batizando uma de suas linhas de Chocolate. Milhões de unidades vendidas depois, lançou outra linha, a Shine. E agora chega com seu novo segredo. Apelidado de Secret, o LG-KF755 quase faz jus ao futuro iPhone 3G. Segundo a empresa, no final de maio, quando aconteceu o lançamento europeu, foram vendidas 200 mil unidades em duas semanas.

O Secret desembarca em São Paulo nesta semana ancorado em grande campanha de marketing. Tem 11,8 milímetros de espessura, câmera fotográfica de 5 Megapixels e uma porção de características para edição de vídeo, além de servir para navegar na web ainda com a tecnolgia Edge. Segundo a empresa, há outros três modelos, entre eles o MU500, destinados a surfar pela rede com a nova musa do momento: 3G.

9 Comentários

Arquivado em Mercado, Notícias

Recado do pai da internet e previsíveis hábitos do homem

Ok, um dos pais da internet não veio ao país para participar da abertura do escritório brasileiro da W3C, órgão regulador da rede. Tim Berners-Lee passou seu recado aos presentes por videoconferência gravada e centrou sua fala em e-government, pincelando a web nos celulares.

Pesquisa – 100 mil pessoas foram rastreadas pelo celular, por meio dos sinais de ligações e envio e recepção de mensagens de texto. Resultado: o padrão do ser humano é previsível. A maioria se desloca para o trabalho e escola e volta para casa. Do total de pesquisados, praticamente 75% restringiram-se a um raio de 32 km.

Um dos resultados do estudo “Mobile phones demystify commuter rat race” publicado na Nature, segundo Albert-Laszló Barabási, da Northeastern University (EUA), pode ajudar epidemiologistas a prever como vírus podem se espalhar em populações, auxiliando urbanistas, por exemplo, a realocar recursos.

O estudo aponta padrões que podem parecer óbvios, disse Barabási, que coordenou a pesquisa. No site da Nature, ele afirma que “ao olhar para a população como um todo, não há como descrever os padrões. O problema ao responder a essa pergunta é que as pessoas normalmente não são rastreadas, mas hoje somos rastreados graças aos celulares que carregamos”.

O que o estudioso fez – Barabási e seus colegas conseguiram autorização de uma operadora de telefonia móvel, sob a condição de anonimato, monitorar chamadas e mensagens de textos de 100 mil pessoas ao longo de seis meses.

Privacidade – O estudo de Barabási enfrenta alguns desafios. Por questões contratuais, a pesquisa não pode divulgar em que país foi feita. Isso pode, no entanto, afetar os padrões de hábitos variados em países diferentes. Dirk Brockmann (Northwestern University – Illinois, ), que tentou analisar o movimento de mais de meio milhão de cédulas de um dólar durante cinco anos, diz que a questão agora é descobrir por que algo tão complexo como o movimento humano segue padrões tão consistentes. “Nenhum estudo pode responder a essa questão.”

Em tempo: se alguém quiser rastrear Barabási, é indispensável a leitura de “Linked: How Everything Is Connected to Everything Else and What It Means“. Foi publicado em 2000 e é atualíssimo.


Comentários desativados em Recado do pai da internet e previsíveis hábitos do homem

Arquivado em Análises, Notícias

A vida celular

O que seria um prosaico ato cotidiano, a comunicação remota com base em telefonia móvel, é na verdade um elemento de transformação das relações entre governo, mercado e sociedade. Nesse cenário são mobilizadas forças tecnológicas, industriais e econômicas e trazem mudanças estruturais no comportamento e relacionamento humano.

A discussão desse ambiente e seus impactos nas diversas esferas da sociedade é o mote do Mobile Life Events, que acontece de 15 a 19 de setembro no balneário de Antalya, na Turquia.

Dois eventos paralelos marcam o encontro: o mSociety 2008 _ International Conferences on Mobile Society e o EURO mGOV 2008 _ European Conference on Mobile Government.

No caso do segmento mSociety 2008, o que se encontra em foco são os fenômenos de uma sociedade cada vez mais organizada e regida por redes digitais, telefones celulares e outros dispositivos móveis. A ambição desse fórum é ser um ambiente de convergência de idéias, aplicações e serviços em uma sociedade pautada pela mobilidade.

Atenção pesquisadores: enviem seus papers para a organização, que está aberta à produção tanto de pesquisadores de universidades e centros de pesquisa.

Já o EURO mGOV 2008 irá reunir representantes do setor público, para compartilhar suas experiências além de discutir a implementação de serviços públicos baseados em tecnologia móvel. O conceito de Mobile Government envolve novas abordagens para modernização do setor público no continente europeu pela utilização das tecnologias móveis por diversos órgãos de governo.

Entre os parceiros e patrocinadores do evento estão grandes companhias de tecnologia, telefonia, universidades e centros de estudo.

Comentários desativados em A vida celular

Arquivado em Notícias