Arquivo da tag: “iPhone 3G”

iPhone ou Nokia 5800: qual você quer?

Nokia 5899 XpressMusic com 3,6 milhões de canções

Nokia 5800 XpressMusic com 3,6 milhões de canções

iPhone 3G para ouvir música via computador

iPhone 3G para ouvir música transferida pelo computador

Pergunta rápida: é melhor comprar um iPhone 3G por R$ 900 + plano de dados a R$ 30 + plano de 120 minutos, sem direito a música, ou um Nokia 5800 por R$ 400 + plano de dados a R$ 49,90 por um ano + plano de 120 minutos e com direito a baixar 3,6 milhões de músicas sem pagar mais nada por um ano? A comparação, a princípio, parece esquisita, afinal são dois aparelhos com perfis diferentes de público, o da Apple, voltado para a faixa etária entre 25 e 35 anos, e o da Nokia, a partir de 18 anos

Em comum, tela sensível ao toque, acesso à web sem fio, mapas com GPS e grande espaço para guardar milhares de música.

O iPhone já conquistou hordas de usuários. A Nokia divulgou, em meados de abril, a marca de 1 milhão de 5800 XpressMusic vendidos mundialmente.

O celular da Apple não permite que o consumidor brasileiro compre músicas pela Apple Store. O da Nokia foi lançado no dia 28 pela TIM para que o usuário baixe canções por um ano pelo computador ou pelo celular.

Outra pergunta: quem usa celular para ouvir música tem alguma noção do que é legal ou ilegal? A Apple praticamente acabou com a indústria fonográfica ao oferecer canções a US$ 0,99, mas essa modalidade de negócio somente funciona no hemisfério norte.  A Nokia lançou um desafio ao mercado nacional. A campanha de marketing da empresa está baseada em quatro pilares, um deles é a educação do consumidor, que, ao abrir seu celular e inserir o código PIN, terá um mundo de 3,6 milhões de músicas espalhadas em 18 gêneros.

A julgar pela molecada que, ao começar a andar, pega o celular para tirar uma foto, e, aos sete anos, fala em download com tanta intimidade, resta esperar. E acreditar em duendes. Ou bruxas ou papai-noel. A escolher.

12 Comentários

Arquivado em Análises, Notícias

Skype pra iPhone: 1 milhão de downloads em 2 dias

Skype no iPhone, por ora, só em conexão Wi-Fi; ora me poupe

Skype no iPhone, por ora, só em conexão Wi-Fi; ora me poupe

As aspas são de Peter Parkes, do Skype Blogs. “Em menos de dois dias, o Skype para iPhone foi baixado mais 1 milhão de vezes, ou seja, seis downloads a cada segundo”. Parkes acrescenta que se trata de um fenômeno e acredita que é o aplicativo mais baixado para o iPhone.
Vamos lá, Apple. Agora só falta a empresa permitir que o seu belo, prático e famoso celular use o Skype nas redes 3G. As operadoras fora do universo EUA aprovam. Será que a AT&T responde ainda pelo maior faturamento da Apple?

ADDENDUS – Saiu no 9to5mac. Eles conseguiram usar o Skype na rede 3G. O iPhone testado está com o software atualizado. A versão 3.0.
A conferir.

Comentários desativados em Skype pra iPhone: 1 milhão de downloads em 2 dias

Arquivado em Notícias

Skype pra falar no iPhone; será?

Skype no iPhone, só funciona se conexão for Wi-Fi

Skype no iPhone, só funciona se conexão for Wi-Fi

Finalmente o Skype pode ser usado no iPhone. Ou quase. O programa mais conhecido para telefonar pela internet de graça ou por poucos centavos de euro ou dólar por minuto ganhou versão para o celular mais famoso do planeta. Detalhe importantíssimo: ele somente funciona se o acesso à internet for por conexão sem fio, a famosa rede Wi-Fi.

Imagine o dono de um iPhone 3G sair à rua e depender de acesso Wi-Fi para poder usar o Skype. Perde a graça. Perde a função.

Na era da internet móvel, você deveria ter o direito de usar o Skype como lhe der na telha. Explico: não há fonte oficial alguma que justifique a razão para que esse programa não funcione no iPhone usando a rede de dados 3G. Ora, o Skype é de graça, mas nem tanto. Em primeiro lugar, é preciso assinar um pacote de acesso à web com sua operadora de telefonia móvel. No Brasil, esse valor pode girar entre R$40 e R$ 100 por mês. Quem disse que é gratuito?

Segundo rumores nada críveis, a Apple teria feito um acordo com a AT&T lá atrás, quando lançaram a primeira versão do iPhone, para que programas desse gênero, conhecidos no jargão por VoIP, não funcionassem com o telefone da Apple.

Bom o tempo passou e quem compra esse celular paga caro por ele, além de ter de assinar um bom plano de dados para a web para a conta não ir às alturas. Afinal, o conceito do iPhone é acessar a internet em tempo integral.

Skype: instalação é rapidíssima

Skype: instalação é rapidíssima

SKYPE PARA ITOUCH – Donos de iTouch somente podem acessar a web por Wi-Fi. Ok, nesse caso, o Skype pode ser bastante útil, pois ele se transforma em um celular.

ALTERNATIVA MATREIRA – O Fring não tem o mesmo apelo visual que o Skype. Chega a ser feinho e confuso, porém imprescindível. Motivo: ele faz a ponte com o Skype e você pode usá-lo em alguns celulares, caso dos aparelhos Nokia NSeries ou ESeries, que utilizam o sistema Symbian. Basta instalá-lo, fazer os ajustes devidos, plugar o fone de ouvido e começar a falar com seus interlocutores do Skype ou ligar para algum contato, caso você tenha crédito para ligar para números de telefonia fixa ou celular pagando menos. O Fring também tem versão para iPhone, mas, obviamente, só funciona para teclar, pois a Apple não permite que você acesse a rede 3G para fazer ligações pela internet. Apenas por Wi-Fi. Muiiiitoooo bacana.

Conexão Barça-Sampa: tá tudo dominado em 5,28 minutos cravados

Conexão Barça-Sampa: tá tudo dominado em 5,28 minutos cravados

ALÔ, ALÔ, DE BARÇA, TESTANDO – Eu havia lido o teste do Skype para iTouch na Wired. O autor fez a avaliação no seu iTouch. Era final de tarde do último dia de março, terça-feira, dái pensei. Qual é a grande vantagem nessa história, afinal. Peguei o iPhone, entrei na Apple Store, digitei Skype e instalei o programa em rápidos minutos. Estava na agência onde edito a GSMmania, revista bimestral de computação móvel. Em suma, a conexão à web usada foi a Wi-Fi mesmo.

No computador, eu acabara de enviar um email a Claudio Versiani, que co-edita, de Barcelona, a revista eletrônica de fotografia PicturaPixel, da qual sou colaboradora. Acertávamos os ponteiros de uma pauta e eu lhe perguntei se ele queria ligar o Skype. Enquanto aguardava sua resposta, a instalação no iPhone já tinha sido concluída. Nem me passou pela cabeça que ele fosse querer ligar seu Skype, pois em Barça já era tarde da noite. A resposta de seu email foi taxativa: cinco minutos no máximo. Ok, eu ainda perguntei se ele preferia teclar, pois o microfone do computador não estava à mão.

Bastou eu informar login e senha do Skype no iPhone e, em segundos, tocou o Skype. Era ligação do navegador Versiani. Pluguei o fone de ouvido e lá fui eu tirar minhas dúvidas de uma entrevista para qual ele me havia pautado.

O som era claríssimo. O delay não era muito grande, consegui aumentar o volume sem dar pau algum. Em precisos cinco minutos e vinte e oito segundos, terminamos a ligação. Ok, eu ultrapassei vinte e oito segundos do tempo regulamentar.

Skype pra iPhone - Visu bacana, igual ao do computador

Skype pra iPhone - Visu bacana, igual ao do computadorSkype no iPhone - contatos à vista

Ele ainda me mandou um email, avisando a marca. Depois, enviei algumas mensagens de chat, uma delas para uma amiga em Campinas, e outra, para Sampa mesmo. Desliguei porque os diretores de arte exigiam minha presença para fazer ajustes nos textos da revista.

Skype no iPhone - vale a pena?

Skype no iPhone - vale a pena pra teclar?

VALE A PENA? – Se você está em um local com acesso Wi-Fi e vai fazer ligações, pode ser. De qualquer forma, na rua, em trânsito, nesta vida nômade, em que o espaço físico foi transformado em zeros e uns, eu ainda prefiro usar o Skype em qualquer canto, com a conexão que me der na telha. Por ora, só posso fazê-lo via Fring.

9 Comentários

Arquivado em Análises, Notícias, Testes/avaliações

As promessas do iPhone 3G na telefonia móvel

Na sexta-feira, dia 11 de julho, mal as portas foram abertas e lá foram milhres de pessoas em 21 países atrás do objeto de consumo mais falado do últimos tempos: o iPhone 3G.

Setenta e duas horas depois, a Apple comunicava ao mundo que vendera 1 milhão de unidades do iPhone 3G. Os acionistas agradeceram. Pudera, as ações registraram alta de 2 pontos percentuais.

Segundo Steve Jobs, presidente da empresa, a primeira versão desse telefone, lançada em junho de 2007, registrou 270 mil unidades vendidas em dois dias. A marca de 1 milhão do primeiro iPhone foi alcançada em setembro.

Apesar de não suportar mais ouvir e ler sobre esse assunto, tão bombardeado, por ossos do oRifício (como diz uma amiga), entrevistei Luis Minoru Shibata, diretor-executivo da empresa Ipsos, que deu um parecer interessante sobre o impacto do iPhone 3G nas empresas e na sociedade.

Falei também com Henrique Martin, co-autor do blog Zumo, e atual editor do site MacWorld Brasil. Martin participou de um podcast do IDG Now, no qual foi bastante crítico em relação a esse hype. Foi exatamente isso que me chamaou a atenção.

As duas entrevistas fazem parte de uma reportagem que será publicada no jornal Economia Interativa, do qual sou colaboradora semanal.

Afinal, o iPhone 3G é tudo o que dizem? Martin acredita que ele tem recursos atraentes, mas será preciso esperar pela versão 3.0, 4.0 e por aí vai. Alguns itens, que ele faz questão de frisar: até agora a Apple não se deu ao trabalho de colocar uma câmera frontal no iPhone, imprescindível para videochamadas. Mais: ele também não permite filmar. Outro detalhe importante: não permite criar e enviar mensagens muiltimídia, MMS.

E a mídia continua babando, falando das maravilhas desse aparelho. Mesmo os mais experientes, ao citar os números oficiais da Apple, usam aquele velho discurso incorporando as informações, conferindo-lhes ar de verdadeiro. Ao se referirem à concorrência, mudam rapidamente para o velho e bom “diz a empresa que…”, colocando a afirmação na declaração do outro.

Mas um jornalista conhecido nos EUA e no The New York TImes, David Pogue, (versão traduzida pelo Link, do Estadão) parece um dos primeiros a escrever algo mais crítico.

Enquanto isso…

Bom os brasileiros terão de esperar até o final do ano, mas já há quem ofereça iPhone 3G desbloqueado. Alguém aí se candidata a me contar se já pôs as mãos nele?

1 comentário

Arquivado em Análises, Notícias

as estatísticas no planeta celular

Para os que acreditam em números, vamos lá: não foi Steve Jobs que começou a semana passada anunciando ao mundo que espera vender 10 milhões de iPhone 3G até o final do ano? O presidente da Apple também afirmou que em 365 dias despejou 6 milhões de iPhone nas mãos do consumidor desde junho passado.

E as cifras de celulares vendidos em todo o planeta, como ficam? O que o Gartner diz é o seguinte: as vendas mundiais de telefones móveis, ou telemóveis, como são simpaticamente conhecidos em Portugal, registraram aumento de 13,6% no primeiro trimestre de 2008, em relação ao mesmo período de 2007.

Traduzindo: foram vendidos no mundo todo 294,3 milhões de unidades nos primeiros três meses. Apesar do aumento, o Leste europeu teve uma queda de 16,4% no trimestre, comparando com os primeiros três meses de 2007.

O que dizem os especialistas do instituto: as vendas em mercados emergentes continuam crescendo, enquanto mercados mais maduros sentem a pressão de um ambiente econômico incerto.

E os fabricantes? – A Nokia, a finlandesa líder mundial, registrou 115,2 milhões de aparelhos vendidos nesse período, apesar de ter sofrido queda de 39,1%. Segundo análises do instituto, a empresa conseguiu manter-se na liderança por conta de um grande portfólio, com altos índices de venda em mercados emergentes. Esses especialistas são implacáveis com a companhia: para que a Nokia fique à frente, será necessário integrar novas tecnologias nos aparelhos e melhorar dos quesitos esign e uso.

A Samsung, por sua vez, alcançou a marca de 42,4 milhões de celulares vendidos, garantindo o segundo posto no ranking. Mais: ela aumentou a distância da terceira colocada, a Motorola. Resultado: obteve um ganho de market share de 14,4%. Motivo, segundo os analistas do Gartner: a empresa está reagindo rapidamente aos celulares com tela sensível ao toque, os “touch-screen”.

A Motorola continua com o mesmo problema de 2007. As vendas caíram para 29,9 milhões de unidades. Será que a explicação é assim tão simplista: o fabricante norte-americano não conseguiu enocntrar o sucessor para o popular RaZr, mesmo lançando modelos e mais modelos em seu portfólio?

Murmura-se pelos bastidores que dificilmente a Motorola consegue se alinhar com a concorrência neste ano. Noves fora,  seu posto de terceiro lugar está sendo seriamente ameaçado pela coreana LG, a quarta colocada na contínua corrida dos fabricantes.

A LG, por sinal, teve um início glamuroso no trimestre, alcançando a marca de 23,6 milhões de unidades despejadas nas prateleiras das lojas em todo o mundo. E papou 8% a mais da fatia do bolo.

A coreana é guerreira nessa arena. Ultrapassou a Sony Ericsson e capitalizou a atenção do mercado com o anúncio de modelos com telas sensíveis ao toque desde o anúncio do iPhone em junho de 2007.

Os analistas do Gartner vaticinam: mesmo com o apelo popular de modelos, entre eles o LG Prada e a linha Shine, a empresa precisa lançar um portfólio de smartphones mais poderoso, uma vez que o consumidor e operadoras de telefonia móvel já começaram a enfatizar seus desejos nesse segmento.

Outra que teve um início de ano complicado foi a Sony Ericsson. Suas vendas chegaram a 22,1 milhões, marca insuficiente para continuar no quarto lugar no ranking mundial. Segundo divulgou o Gartner, a empresa atribui esse resultado a dificuldades no mercado do Leste europeu. Para o segundo semestre, ela vem de forma agressiva abrindo seu potfólio com uma safra de aparelhos para consumidores de segmento médio. Dessa forma, a Sony Ericsson estará em boa posição para recuperar seu quarto posto no mercado.

Fonte: Gartner Inc

5 Comentários

Arquivado em Análises, Mercado, Notícias

Eae? Já está Claro quem vai pagar a conta do iPhone 3G?

Página da abertura da Claro para pré-cadastramentoO iPhone 3G mal chegou às prateleiras e já estão todos fazendo as suas contas. Ou pelo menos imaginando como serão. Afinal como me disse, ao longo da tarde, Cris de Luca, do Circuito, o que interessa são os planos de venda e não o preço do celular.

Nos EUA e na Europa é bem possível que ele saia de graça. Ops. Grátis? Nunca, diriam os economistas. Nada é de graça. Para ter um aparelho iPhone 3G a, supostamente, sem custo algum, as operadoras terão de embutir o preço desse telefone em um plano. Lá fora, fala-se em contrato de assinatura de no mínimo dois anos. Haja fidelidade.

E Steve Jobs foi categórico. O iPhone 3G mais simples vai chegar a 70 países custando US$ 199. No site em português da Apple, bem no canto direito, lá embaixo, há um link onde comprar.

Telefone, iPod, internet e mais

Já foi lá? Dá direto na Claro.

Enquanto isso, conjeturas todos podem fazer. A elas: a Claro, menos de dois dias após o anúncio do iPhone 3G, vem estampando em sua tela de abertura a oferta do celular da Apple. Corra aficionado, corra. Quer dizer, o que você está esperando? Entre no site da empresa e preencha seus dados. Está sem paciência? Então digite os quatro números logo abaixo da página, 1052. Uma voz eletrônica vai lhe pedir alguns dados e pronto. É só aguardar.

Não sei quanto tempo, mas a operadora está cotada para ser a primeira a oferecer o iPhone com um plano pós-pago. E já que que estamos no plano das conjeturas está claro que as contas são todas suposições.

Para pagar a conta dos US$ 199 ou US$ 299, dependendo do iPhone 3G que você escolher, pode-se imaginar que será preciso assinar um plano de 18 meses? Ou dois anos? O tempo dirá. Mas jogando lá no alto, o mais caro, oferecido hoje no site da empresa, é o Plano 3G 900, com direito a 750 minutos de ligações locais.

Planos 3G da Claro

Detalhe, nesse plano de R$ 376,90, estão apenas incluídos 150 Megabytes de acesso à internet. Por experiência própria, isso não dá para nada, principalmente se você gosta de entrar em sites o tempo inteiro, conferir a chegada de e-mails, postar em blogs, usar Skype, MSN ou outras redes sociais.

E quem quer um iPhone 3G seguramente vai querer navegar pela web em alta velocidade. O pacote Internet 2000 tem hoje franquia mensal de 2 Gigabytes, por 30 dias, a velocidade de 1 Megabit. Hoje, fazendo os cálculos, a conta ficaria em R$ 376,90 (plano 900 de 750 minutos) + R$ 99,90 = R$ 476,80.

Vale a pena? Claro, a decisão está nas suas mãos. Não venha dizer depois que pagou apenas US$ 199 ou que ele saiu de graça.

8 Comentários

Arquivado em Análises, Mercado, Notícias