Arquivo da tag: nomadismo

Nomad, nomadismo, nômade na era web móvel ou mobile

Um dos co-autores deste blog saiu de microférias. A idéia era partir para um lugar distante, no mar, próximo, geograficamente, a montanhas.

Nos trópicos, inverno a 25 graus centígrados = calor. Rumei então com duas adolescentes e duas crianças para Ilhabela, precisamente na praia do Pinto.

É a versão 2.0, pois no ano passado fiz o mesmo trajeto, porém ficamos em uma casa mais próxima do centro. O que significa mais perto de conexão com a web.

Em 2008, aqui, a 5 km da vila, sem conexão de cabo algum, vim munida de um ultraportátil notebook, um mini modem e meus celulares.

Feliz ou infelizmente a operadora TIM não pega bem aqui. Na casa onde estou as concorrentes fazem e aceitam chamadas. Não é de todo mal, pois recebo menos ligações. Na varanda, de onde avisto o mar a poucos metros, conecto o notebook e falo por telefone, de onde acesso a web com mais rapidez.

Esmiuçando: o mini modem, teoricamente, teria de fazer uma conexão 3G, com velocidade prometida de 1 Mbps. Claro, não estou em terra muito firme, então vamos de conexão GPRS, bem mais lenta. Equivale, mais ou menos, a uma conexão discada (para quem se lembra o que já foi esse tipo de acesso à web).

Um detalhe importantíssimo: quando se navega por conexão GPRS, você está abrindo sites na tela do seu celular. O que significa que essas páginas são mais leves, com poucas imagens. Por isso, carregam rapidamente. Os adeptos de web em celulares preferem mil vezes usar os endereços de sites feitos especialmente para abrir nas telinhas. Ao entrar na versão padrão, cai a velocidade para carregar a página.

Aí vai um exemplo de conexão GPRS em um notebook: para baixar um simples programinha para conectar o celular ao notebook de pouco mais de 30 megabytes, foi necessário esperar mais de uma hora. E olhe que o notebook que estou usando é pra lá de potente. Mal chegou às lojas. É um lançamento da HP e tem um chip de bom desempenho para quem precisa de um caderno quie pese pouco mais de 1 kg.

O que esperar de uma conexão mais lerda? Nada, pois quem mandou sair da base, onde tenho internet de banda larguíssima em mais de um computador.

Pergunto: dá para confiar na tal da conexão web móvel, proposta pelas operadoras Claro, TIM e Vivo, que oferecem descontos bacanas para quem comprar o mini modem e conectá-lo a seu notebook? Ou a seu computador de mesa?

Eu diria o seguinte: depois de quase duas semanas testando três notebooks ultraportáteis com três mini modems de três operadoras (parece o trava-línguas dos três tristes tigres), sou obrigada a confessar que o mini modem é útil sim.

E digo o por quê: na primeira semana, o teste foi realizado para a revista, na qual sou editora,  GSMmania. No meio da semana, aconteceu o famigerado apagão da Telefônica / Speedy, cujas explicações até agora não me satisfazem. Quem trabalha o dia inteiro conectado dança. Era o meu caso, pois meu escritório tem três máquinas, todas  usando banda larga Speedy.

Entre as incontáveis narrações sobre a pane, gosto bastante da relatada no Zumo, por Nagano, que trabalha muito bem em parceria com meu querido colega e amigo Henrique Martin, que, além de levar esse blog com muita competência, está de volta ao IDG Now, editando o site da MacWorld Brasil. Confiram.

No dia do pau geral, quase trucidei parte considerável da família, acreditando que minha filha mais velha tinha pegado algum vírus maléfico nas suas conexões Orkut ou MSN. Minha cara-metade teve a pressão alterada, pois eu vociferava que, durante o fechamento de uma edição, não se pode inventar de atualizar programa ou fazer alterações grandes no servidor.

E como sintonizar-se no noticiário? Bastava ligar a TV ou o rádio, óbvio. A internet parou em todo o Estado de São Paulo. Para nossa sorte, os mini modems deram conta do recado. E, mesmo em velocidade baixa, era possível acessar e-mails, entrar em sites, conferir informações e fechar uma revista.

Ah, e na agência, onde o fechamento das 68 páginas acontecia, a conexão não era da Telefônica. Menos mal.

E nesta segunda semana: o tal do mini modem, mesmo funcionando apenas na varanda da casa, e quando lhe dá na telha, me ajuda a conferir e-mails de urgência, entrar raríssimas vezes no Twitter e em sites noticiosos.

E por último, a atualizar este blog, que estava abandonado às traças digitais.

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Comportamento

CHÁ VERDE EM TARDE NÔMADE x TWITTER

O Twitter está lerdo hoje e falha no carregamento o tempo todo. Enquanto isso, na leitura fragmentada do século 21, que tal os artigos “Breaking news, Twitter style“, no site da Reuters, e “Why Twitter Matters“, publicado na Business Week, que trata da explosão desse serviço, questionando se ele é páreo para o Social media at FacebookFacebook?

Leitura recomendável para os que discutem e pensam em redes sociais, em tempos de web 3.0.

Vale lembrar e repetir que a TV Cultura iniciou sua cruzada para angariar telespectadores que pertencem a uma categoria bastante desejada e, aparentemente, fora do alcance da televisão: os internautas.

A iniciativa do programa Roda Viva -aliás a página está vetusta e merece urgente uma atualização, mas dá para acessar o blog da TV Cultura– é inédita.

Há duas edições, o programa tem chamado blogueiros/twitteiros para participar da platéia.
Pelo que entendi, eles não podem perguntar nada ao entrevistado. Aliás, quem assistiu pela TV relatou que a câmera mal registra a presença dos blogueiros. Pelo Twitter, eles comentam o que acontece durante a roda viva de perguntas e respostas e informam os internautas. Um resumo que se atualiza com frases de 140 caracteres, o máximo que o serviço permite. O Tweetscan e outros servem para rastrear o que foi dito na web sobre um assunto, bastando, por exemplo, digitar #rodaviva.

É uma forma de chamar os internautas para ligar a TV? Ainda é cedo para responder a essa questão. Afinal, quem não quiser desgrudar do seu monitor pode assistir a transmissão do programa pela web ao vivo.

Trata-se da segunda experiência e essa forma pode e deve mudar. Por que não incluir os blogueiros na turma dos entrevistadores?

Na última segunda-feira, a blogueira, jornalista e escritora Ana Carmen foi uma das convidadas a participar da platéia composta de três blogueiros/twitteiros, durante a entrevista com o bailarino e coreógrafo Ivaldo Bertazzo. A jornalista e blogueira HelenaN, do Prateleira.net, e o jornalista Alexandre Inagaki, do Pensar Enlouquece, completaram o grupo.

Nada é por acaso. Paulo Markun, presidente da Fundação Anchieta – Centro Paulista de Rádio e TV Educativa, está muito bem assessorado. Aliás, parabéns ao responsável por nova mídias. E Markun revela seu lado interneteiro em entrevista ao Link, do Estadão. Sem deixar de arrematar que tem um filho da geração Y, Pedro Markun.

Seria injusto esquecer que a Fundação Padre Anchieta já tem outras iniciativas na web. O Radar Cultura é uma rede social que começou a engatinhar e deve ter engatado, espera-se, mesclando a Rádio Cultura AM com web. Merece visita, cadastro e experimentação.

P.S. Já agendei entrevista ao vivo com Ana Carmen e estou tentando falar com HelenaN e Inagaki. Também vou atrás do responsável por novas mídias da TV Cultura. A idéia é escrever um texto com depoimentos para a revista GSMmania (site em reestruturação), na qual sou editora.

4 Comentários

Arquivado em Análises, Comportamento, Notícias

Net-etiqueta em vôos – para pensar

Executive at flight equipped with a

Foto: Mark Lennihan / AP

Será que as regras de etiqueta vão funcionar nos ares? Cena 1: a 33  mil pés de altitude, o passageiro do assento 17D bate um papo furado em uma interminável ligação telefônica via internet, cujo custo, para quem não sabe, limita-se à mensalidade paga ao provedor. No asento de trás, outro internauta tecla incansavelmente com seu interlocutor. O sujeito ao lado está muito ocupado surfando em sites de pornografia para se preocupar com a vizinhança. E o passageiro da poltrona 17C quer apenas dormir. Corta.
Cena 2: no meio da noite de um longo vôo que atravessa o oceano Atlântico, um celular toca insistentemente. O dono do aparelho atende e, sem cerimônica alguma, fala como se estivesse em sua casa.
O artigo “In-flight Internet raises etiquette concerns” , difundido pela Associated Press, levanta alguns pontos interessantes sobre esses cenários.
Se o cidadão tem o direito de estar em um vôo e abrir na tela do seu computador o que lhe der na telha, e os defensores da rede são contra quaisquer restrições, será que haverá margem para o famoso e discutido bom senso?
O que é afinal bom senso? Que eu saiba, vive-se em uma sociedade em que cada um prega e pratica o seu. Em suma: 6,5 bilhões de supostos bons sensos.
Pode apostar: muita gente vai torcer o nariz. Imagine uma família espalhada em vários assentos e o garotão de 12 anos senta-se justo ao lado de um passageiro que navega por sites pornôs. Ok, trata-se de uma curiosidade secular, mas muitas  mães vão ficar de cabelo em pé e reclamar com a tripulação.
Além disso, é notório que hoje menores de idade viajam desacompanhados com mais freqüência.
No quesito mobilidade, a Air France planeja permitir ligações telefônicas em vôo. Não há, por ora, nenhuma regra estabelecida.
Provavelmente, em breve, veremos as companhias aéreas e os provedores de acesso criando códigos de conduta ou mesmo formas de bloqueio a sites inadequados, ou, quem sabe, a serviços de ligações via internet (VoIP), forjando assim a sua própria net-etiqueta para usuários da web em vôo.
Afinal, o que acontece quando um passageiro abre seu laptop e assiste a um DVD? Ou, então, folheia uma revista de conteúdo inapropriado para menores.
No final do artigo, o porta-voz da Aircell LLC, Jack Blumenstein, acredita que “a decência, o bom senso e comportamento normal vão prevalecer”.

Comentários desativados em Net-etiqueta em vôos – para pensar

Arquivado em Comportamento

Menor aldeia do mundo tem celular

Não dá mesmo para duvidar de que os tentáculos da tecnologia se espalham hoje por todos os cantos do planeta. A agência Chinanews registrou que desde dezembro a menor localidade da China, uma aldeia com 27 habitantes na cadeia de montanhas do Himalaia, tem agora telefonia móvel.
A aldeia de Yumai, na província de Lhunze, no Tibete, conta com apenas sete casas, que costumam ficar isoladas do resto do mundo com as nevascas de inverno. O serviço oferecido à minúscula comunidade pertence à China Mobile, empresa de telefonia com 300 milhões de usuários.

Comentários desativados em Menor aldeia do mundo tem celular

Arquivado em Notícias